imagem: Jia Lu, Illuminated

"EM CADA CORAÇÃO HÁ UMA JANELA PARA OUTROS CORAÇÕES.ELES NÃO ESTÃO SEPARADOS,COMO DOIS CORPOS;MAS,ASSIM COMO DUAS LÂMPADAS QUE NÃO ESTÃO JUNTAS,SUA LUZ SE UNE NUM SÓ FEIXE."

(Jalaluddin Rumi)

A MULHER DESPERTADA PARA SUA DEUSA INTERIOR,CAMINHA SERENAMENTE ENTRE A DOR E AS VERDADES DA ALMA,CONSCIENTE DA META ESTABELECIDA E DA PLENITUDE A SER ALCANÇADA.

BLOG COM MEUS POEMAS:

http://desombrasedeluzanna-paim.blogspot.com/



domingo, 14 de dezembro de 2008

ÍNDIGOS



Os Índigos
Novas Crianças - Novos Homens
De Yamileth Garcia Sosa

Segundo os adeptos da psicoespiritualidade, hoje uma das mais modernas disciplinas científicas, nosso planeta está começando a ser povoado por uma nova raça humana, mais sensível e democrática, menos autoritária e manipuladora. Tratam-se de seres humanos muito especiais, gerados sob métodos estritamente naturais, nesta época marcada pelas fertilizações dentro de laboratórios e de clones de animais e plantas.

São crianças tão terrestres como seus pais, a única diferença é sua tarefa espiritual de impulsionar mudanças na humanidade.

Os especialistas as chamam de Crianças Indigo, e atribuem a elas grande dose de intuição, inclusive telepatia, qualidades de prever o futuro, e até reconhecer a presença de seres etéreos que, segundo alguns, nos rodeiam. Além disso, têm a capacidade de ver os espectros da luz, escutar todos os tipos de sons, e apresentam uma relevante hipersensibilidade tátil. Como se isso fosse pouco, alguns ainda chegam ao mundo com o dom da cura.

Mas por quê vêm ao planeta Terra? Segundo a pesquisadora da Psicoespiritualidade (conceito que se refere a psicologia transpessoal, onde se une o conhecimento do ego e da alma), a vinda dos novos homens não é uma casualidade. Pelo contrário, possuem uma tarefa específica a cumprir. "Muitas das crianças que chegam ao planeta vêm com a missão de elevar a energia vibratória, e possuem melhores condições biológicas para lidar com as impurezas criadas pelo homem. Trazem um potencial de mudança dentro de seu DNA. São a ponte de conexão entre a terceira e a quarta dimensão", ressalta María Dolores Paoli, psicóloga venezuelana praticante desta nova tendência, a psicoespiritualidade.

Segundo esta especialista, as Crianças Indigo nascem em todas as classes sócio-econômicas e caracterizam-se, basicamente, por possuir um novo estado de conciência. Contudo, destaca Paoli, também existem certos traços físicos que distinguem estas crianças: "São magros, têm olhos grandes, ligeiramente acentuados no lóbulo frontal, geralmente canhotos ou ambidestros. Comem pouco, e inclusive, alguns são vegetarianos por não suportar a carne".

Uma nova cor - o índigo - surgiu, conferindo aos indivíduos capacidades, talentos e características físicas bem diferentes das outras cores. Nesse momento, a maioria das pessoas de aura índigo são crianças ou jovens.
Vejo as crianças de aura índigo como sendo investidas de talentos e novas faculdades que serão necessários à nossa evolução. Essas crianças têm características singulares, cujo propósito só podemos presumir.

Os pais das crianças índigo estão diante de um desafio especial - como cuidar e educar filhos tão especiais, e ao mesmo tempo ajudá-los a seguir a direção predominante da sociedade contemporânea. Os pais de algumas dessas crianças apoiam e valorizam essas diferenças.

Por causa de seu sistema nervoso inusitadamente sensível, ela precisa de um ambiente mais plácido e tranquilo que outras crianças. Quando submetida a longos períodos de estimulação, seu sistema nervoso se sobrecarrega, tornando-a irritável ou indisposta. Parecem seres mimados demais, mas na verdade têm necessidades diferentes. Precisam de estímulo ao lado lógico do cérebro, de modo que o lado intuitivo (o cérebro direito), muito ativado, fique livre para vagar. Música para meditação é interessante, uma vez que a relação do aura índigo com a musicalidade é muito poderosa.

Tais criaturas são realmente muito bem dotadas mentalmente, em todos os níveis do mental (do lógico ao abstrato), porém de uma forma nova e diferente. Realmente querem entender, não para aumentar sua auto-estima, ou pelos privilégios que desfruta uma criança bem dotada, mas por causa de sua curiosidade natural.

A aguda perspicácia intelectual é um dos aspectos mais gratificantes e mais exasperantes do indivíduo índigo. É brilhante e inquiridor, com uma inteligência que vai muito além dos conceitos mais tradicionais. Como as crianças de aura índigo parecem nascer sabendo tudo, não costumam pedir informações, mas procuram verificar os conhecimentos que já têm. Elas nada aprendem, apenas se recordam de tudo. Costumam testar os outros para saber se merecem confiança. Fazem perguntas difíceis que exigem respostas ponderadas e inteligentes. Uma resposta como "porque eu mandei", ou "as coisas sempre foram assim", ou mesmo "porque é assim, e pronto", só faz brotar outra pergunta sagaz por parte do indivíduo índigo. Bem cedo, em geral antes dos dois anos de idade, ela já tem uma notável compreensão de conceitos abstratos. Não está sendo precoce. Em verdade, a aura índigo representa o indivíduo do amanhã.

Como costuma ir diretamente à essência das coisas, não se engana com as aparências. Quando chega a hora de saber, nada a faz desistir.

Costumam ser criaturas bem dotadas que não se impressionam um milímetro com os próprios dotes, e qualquer sistema que não atenda às suas necessidades irá gerar problemas. Independentes sem serem arrogantes, sabem exatamente do que são e do que não são capazes. Não são arrogantes, simplesmente rejeitam a falsa modéstia. O sistema escolar tradicional, com sua forma encadeada de aprendizado, não funciona para esse ser.

Para o ser índigo, a aprendizagem não é errática ou fortuita. Temas, tópicos e idéias não podem existir isoladamente para o índigo. Ele vê o mundo e as idéias como fragmentos interligados de uma estrutura organizacional maior, a qual estão diretamente conectados, como micros numa grande central cósmica de informações. Aprender um tópico sem considerar suas implicações em outras áreas de conhecimento é algo incompreensível para elas. Precisam entender como as peças se encaixam. Mergulha em tudo muito profundamente. Ressente-se quando um modelo de aprendizado lhe é imposto, ou quando tem de se limitar seguindo à risca um padrão pré-fabricado.

Precisa de espaço próprio: sua própria mesa, seu próprio quarto, etc. Seu campo magnético altamente individual precisa da solidão como forma de recarrego.

As pessoas que exercem autoridade devem respeitar e argumentar com esse tipo de indivíduo. É impossível que ele seja coagido a fazer algo que não queira. Mas coopera brilhantemente quando não é tratado com superioridade. Pode se tornar gélido e obstinado quando é subestimado, ou fazer uma sala inteira explodir de alegria com sua capacidade de manipular as correntes emocionais.

Em muitos níveis, o aura índigo nunca é criança, mesmo que seja absolutamente infantil nos primeiros anos de idade. Parece mais maduro que outros da mesma faixa etária, reagindo com empatia e compreensão aos pequenos dramas da vida. As crianças de aura índigo parecem bem mais auto-suficientes que as outras, precisando de menos interação com a família e outras crianças. Ficam bem quando dispõem de muito tempo sozinhas para se dedicar aos seus próprios interesses e atividades. Têm a imaginação activa e muitas vezes falam consigo mesmas, perdidas em outra realidade. São criaturas que se dão bem em ambientes que colocam alguns limites claros e seguros em seu comportamento, ser cercear suas necessidades de explorar e descobrir. Quando tratada com respeito, a pessoa de aura índigo é extremamente cooperativa.

O indivíduo índigo parece nascer sabendo tudo, graças à mutação energética e bioquímica que lhe permite entrar em conexão empática com O Todo. Não vê a vida sob a óptica de conceitos como "evolução" ou "perfeição", pois consegue captar a sutil verdade de que, para admitir a existência de evolução, precisaria admitir primeiramente a existência de coisas "melhores" e "piores", e ninguém melhor que o índigo para saber que isso não existe, exceto nas mentes das pessoas escravizadas pelo maniqueísmo.

No mundo atual, o indivíduo índigo tem grande satisfação em trabalhar com as mãos, ou com qualquer coisa ligada à ciência, à arte.

Ele tem uma relação única com o Poder Superior. A maioria da humanidade considera tal poder como algo "acima" e "distante", e assim o busca. O indivíduo índigo parece ter a sensação íntima do poder superior. Para ele, o Poder Superior é uma realidade cotidiana, não um conceito teológico. Deus é. Ele vê a busca humana pela espiritualidade como uma fachada primitiva, tola, ingênua e empobrecida.

De uma forma curiosa, entretanto, é justamente o indivíduo índigo o que mais sente facilidade para se adaptar a práticas espirituais tradicionais. Tem dom para a meditação, e aprecia objetos cerimoniais, velas, incenso, mandalas, fogueiras, pedras, símbolos. Todavia, tais ritos e objetos são utilizados, em verdade, pelo índigo, para ele brincar, o que não elimina o respeito que sente pelo primitivismo humano. Entedia-se, mas é sutil.

É uma pessoa eclética no plano espiritual, capaz de fazer um mix de tradições, rituais e símbolos ao mesmo tempo, obtendo paz e conforto desses objetos exteriores. Mas não é realmente ligado a nada disso, ou a qualquer sistema de crenças. O índigo compreende, desde a mais tenra idade, que há uma configuração no Universo que tem muito pouco a ver com as normas e regras que as pessoas fizeram. São os enviados da nova espiritualidade holística, e não aprenderam isso com ninguém. Tudo, o templo e os objetos de poder, estão dentro dele, e por mais que muitas pessoas conheçam ou preguem isso em teoria, com o índigo é diferente. Ele simplesmente sabe.

O índigo é compreendido como uma mutação paranormal no esteio da humanidade atual. É este o ser que tem a visão da tecnologia e do futuro. Para ele, nossa civilização parece tão bárbara e supersticiosa quanto a corte do Rei Artur pode parecer a um americano comum.

2 comentários:

Livia disse...

Querida, muito interessante, ele gosta mesmo de tudo isto, legal tu teres lembrado do Fitus. A gente que convive no dia-a-dia talvez não tenha esta visão, legal tu postares, bjão !!!

T.K. disse...

como eu entro em contato com outros indigos?