imagem: Jia Lu, Illuminated

"EM CADA CORAÇÃO HÁ UMA JANELA PARA OUTROS CORAÇÕES.ELES NÃO ESTÃO SEPARADOS,COMO DOIS CORPOS;MAS,ASSIM COMO DUAS LÂMPADAS QUE NÃO ESTÃO JUNTAS,SUA LUZ SE UNE NUM SÓ FEIXE."

(Jalaluddin Rumi)

A MULHER DESPERTADA PARA SUA DEUSA INTERIOR,CAMINHA SERENAMENTE ENTRE A DOR E AS VERDADES DA ALMA,CONSCIENTE DA META ESTABELECIDA E DA PLENITUDE A SER ALCANÇADA.

BLOG COM MEUS POEMAS:

http://desombrasedeluzanna-paim.blogspot.com/



sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

A MULHER SELVAGEM





A mulher selvagem é aquela que troveja na face da


 injustiça. 


Ela é aquela pela qual nós abandonamos o lar para


 procurar e aquela pela qual nós retornamos ao lar. 


Ela é intuição, consegue ver longe, ouviprofundo, e


 ela tem um coração leal.


Ela deve vagar pelas antigas sendas, defender seu


 conhecimento instintivo, orgulhosamente ostentar as


 cicatrizes de batalha de sua época, escrever seus


 segredos em paredes, recusar ser envergonhada,


 liderar o caminho, ser astuta e usar sua perspicácia


 feminina.


Onde podemos encontrá-la? 


Ela caminha nos desertos,cidades, florestas, oceanos, 


e na montanha da solidão. 


Ela mora nas mulheres em todos os lugares:


 em castelos com rainhas, nos escritórios e nos ônibus


 noturnos para os subúrbios.


Ela mora em um local distante que abre caminho


 através de nosso mundo. 


Ela mora no passado e é convocada por nós. 


Ela está no presente. 


Ela está no futuro e caminha de volta no tempo para 


nos encontrar agora.


A Mulher selvagem sussurra as palavras e os caminhos


 para nós, e nós a seguimos. 


Ela corre à nossa frente, mas para e espera para ver se 


nós a estamos alcançando. 


Ela tem muitas coisas para nos mostrar.


Quer você possua um coração simples ou ambicioso,


 quer você esteja tentando alcançar o grande sucesso


 ou apenas atingir o dia de amanhã, a natureza


 selvagem pertence a você.


Não seja uma tola. 


Volte e fique sob aquela flor vermelha e caminhe, 


direto em frente para superar a última milha mais 


difícil. 


Escale até a caverna, rasteje através da janela de um 


sonho, examine o deserto e veja o que você encontra. 


É o único trabalho que temos que fazer.


Sem nós, a mulher selvagem morre. 


Sem a mulher selvagem, nós morremos. 


Para a verdadeira vida, ambos devemos viver.




The Soul of the Indian

Dr Charles Alexander Eastman, 1911


born Ohiyesa of the Santee Sioux, in 1858

Um comentário:

Elton Sipião O Anjo das Letras. disse...

É por tal mulher que vou buscar por todos os dias da minha vida!!!